Carreta em Strenx reduz consumo de combustível

Carreta lançada pela fabricante de implementos Pastre ficou 600kg mais leve, mais econômica, com redução de consumo de mais de 80 litros de óleo diesel a cada 10 mil quilômetros por mês, permitindo assim reduzir a emissão de gases poluentes

A frequente alta dos combustíveis, amplamente discutida por conta da repercussão da greve dos caminhoneiros, é um dos fatores que tem feito com que os transportadores busquem cada vez mais alternativas para rentabilizar as operações e não repassar os custos no frete aos clientes. Uma das soluções encontradas pela Pastre, fabricante de implementos rodoviários para o transporte de cargas, foi a produção de uma Carreta porta-container em Strenx, aço estrutural de alta resistência da siderúrgica sueca SSAB, desenvolvido para os setores em que a alta resistência estrutural e a redução de peso são fatores competitivos importantes, especialmente na indústria de elevação de carga, movimentação e transporte. O equipamento com 600 kg mais leve gerou economia de 84 litros de óleo diesel a cada 10 viagens por mês (média de mil quilômetros por viagem), além de reduzir emissões de CO2 na atmosfera.

Lauro Pastre Jr., diretor-industrial na Pastre, explica que para esse tipo de implemento rodoviário, o aço de alta resistência é pouco procurado, mas ressalta que o fator consumo de combustível tem feito com que as transportadoras busquem por equipamentos mais leves. “O transportador que está preocupado com o consumo do combustível, que presta atenção nos detalhes do transporte e que está atrás de uma operação mais econômica, sabe que se tiver um produto mais leve, vai consumir menos combustível quando o equipamento estiver carregado e vazio também”.

A Pastre utilizou o Strenx 700 no porta-container, alcançando uma redução de 600 quilos, o que representa uma redução de 10% no peso total da carreta. “Isso pode ser traduzido em aumento de carga útil ou 600 quilos a menos em toda viagem, reduzindo as emissões de gás carbônico na atmosfera. Para o bolso do transportador, se percebe no momento do abastecimento e o efeito imediato principal é combustível a menos”, afirma o diretor.

Lauro Pastre Jr. conta que foi feita uma projeção inicial de peso do implemento na proposta para o cliente, quando este colocou o implemento pronto na balança e constatou uma redução adicional de 200 quilos. “Quando ele viu que estava mais leve do que a proposta inicial, já fez o pedido do segundo equipamento”, comenta.

“600 quilos a menos em relação à concorrência é uma redução bem significativa”, diz Nadir Ângelo Bertol, fundador e diretor da 4N Transportes, empresa que adquiriu o porta-container fabricado pela Pastre. “Com economia de mais de 80 litros de combustível a cada 10 mil quilômetros por mês, economizamos R$ 270,00 por mês resultando em pouco mais de R$ 3.000 por ano. A redução do peso também reflete no consumo de lonas e pastilhas de freio, dá diferença, além de conseguirmos rentabilizar melhor o frete”, comenta.

Para a fabricação do porta-container, o diretor da Pastre aponta que estudos e ajustes foram necessários durante o processo. “Quando colocamos um container carregado sobre um implemento, sua estrutura é arqueada e quando é removido, volta à sua condição normal. E como o container é fixado acima na estrutura por quatro pinos de fixação, esse arqueamento na estrutura dificultou um pouco o desenvolvimento da solução, pois, ao mesmo tempo em que é preciso ter uma estrutura mais leve, ela precisa ter uma certa rigidez, pois ao colocar um container carregado, a estrutura do chassis poderia ceder e ao retirar o container , não seria possível mais destrava-lo de cima do chassi”, ressaltando que com vários estudos chegaram à solução ideal. “Com o tempo, chegamos a uma estrutura com a rigidez necessária para o transporte e com a leveza que satisfaz o cliente”, completa.

O diretor da Pastre conta que o investimento em aço de alta resistência tem um retorno rápido por conta do custo-benefício. “A redução do consumo de diesel já é sentido no bolso do transportador e dali para frente, ele só vê vantagem com os outros benefícios: redução dos gastos com manutenção e menor emissão de CO2 na atmosfera”, conclui o diretor.

A Pastre já utiliza aços de alta resistência em seus equipamentos e há anos é parceira da SSAB. A empresa também faz parte do programa My Inner Strenx. “Desde o início de nossa parceira, em 2004, a SSAB nos orientou sobre o que poderíamos ou não fazer, nos apoiando na soldagem, no corte e na conformação do aço”, salienta Lauro Pastre Jr.. “Sem o apoio desse pacote de serviços técnicos da siderúrgica, não teríamos tido sucesso. Hoje, já temos o know hall, que foi a SSAB que nos trouxe. Não há outra empresa que faça esse trabalho, é um diferencial muito importante, além de ter um material de altíssima qualidade”, finaliza.

Clique aqui e leia mais sobre inovação.

0
0