Alunorte e UFPA assinam acordo para pesquisa sustentável com resíduo de bauxita

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

A Alunorte e a Universidade Federal do Pará (UFPA) assinaram, em junho, um acordo para a realização de pesquisa sobre a viabilidade de produção de cimento de baixo carbono a partir do resíduo de bauxita (imagem). O projeto integra o convênio entre a Hydro e a Universidade, iniciado em 2019, para a realização de diversas linhas de pesquisa, entre elas com o resíduo resultante das operações da Hydro em Barcarena e Paragominas.

A pesquisa visando a produção sustentável de cimento com baixo carbono está diretamente associada à meta de sustentabilidade para o resíduo de bauxita estabelecida pela Hydro. A companhia busca utilizar parte deste resíduo para a geração de novos produtos até 2030, o equivalente a aproximadamente 500 mil toneladas de resíduo de bauxita ao ano.

Por meio deste projeto, a companhia objetiva desenvolver soluções tecnológicas sustentáveis para os produtores locais de cimento de modo a reduzir não somente o seu custo de produção, mas principalmente o seu impacto ambiental, por meio da redução da emissão de gases causadores do efeito estufa e da preservação de recursos naturais.

A estimativa de duração é de 18 meses e o projeto de pesquisa de cimento de baixo carbono conta com cinco pesquisadores do Laboratório de Tecnologia das Construções da UFPA e outros cinco profissionais do Departamento de Tecnologia, que inclui a área de Pesquisa & Desenvolvimento da Hydro.

O diretor Industrial da Alunorte, Michel Lisboa, afirma que o projeto é a oportunidade de a Alunorte aplicar na prática todo o conhecimento da universidade para o desenvolvimento de tecnologias sustentáveis e duradouras. “A Hydro busca ser referência em sustentabilidade na indústria do alumínio. Para isso, a parceria em busca de inovação junto à academia é fundamental. A pesquisa é uma oportunidade de promover avanços globais e locais na nossa gestão ambiental, com redução da emissão de carbono e o reaproveitamento do resíduo da bauxita. Uma busca incessante de toda a indústria do alumínio”, afirma Michel Lisboa.

Colaboração

O convênio foi celebrado em maio de 2019. Com o instrumento, as duas instituições podem ampliar a interação entre a academia e as indústrias instaladas no Pará. O gerente sênior de Pesquisa & Desenvolvimento de Bauxita & Alumina da Hydro, Erik Araújo, explica que a Hydro montou um time de governança para construir o relacionamento com a universidade para os projetos tecnológicos. Dois workshops já foram realizados com os profissionais, que elencaram projetos nos quais a universidade poderia atender a demandas tecnológicas da Hydro.

A pesquisa sobre a utilização de resíduo de bauxita é o primeiro projeto do convênio. “A assinatura do primeiro convênio simboliza a concretização de uma parceria, que é resultado dos esforços dos dois lados. O projeto abre um leque de iniciativas, além de trazer benefícios futuros e associar a empresa a instituição acadêmica mais importante do Pará. Esse resíduo se transformará em matéria-prima para a indústria de cimento e a etapa de processamento tem potencial para a geração de emprego”, afirmou.

A Hydro e a UFPA já são parceiras desde 2013 no Consórcio de Pesquisa em Biodiversidade Brasil-Noruega (BRC), em Paragominas, que também é integrado pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), a Universidade de Oslo e o Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG).

O Consórcio busca alcançar o nível mais alto de desenvolvimento em reabilitação ecológica e ambiental, a partir da ciência, além de fomentar a educação e pesquisa. Cerca de 100 profissionais estão envolvidos em todos os programas de pesquisa do Consórcio. O BRC já implementou diversos estudos inéditos, como de algas e crustáceos, entre outros.

0
0