ArcelorMittal se une a startups em busca de soluções para otimizar aproveitamento do carvão vegetal

Laboratório de inovação da empresa, Açolab seleciona sete projetos que visam redução dos finos de carvão e aumento de produtividade

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Em um demoday no dia 22 de outubro, a ArcelorMittal selecionou sete projetos de inovação para a segunda fase do Desafio de Finos de Carvão Vegetal, entre as oito propostas aceleradas pelo programa na primeira fase. A partir de agora, os projetos serão apoiados pela empresa para implantação em escala industrial como solução para o desperdício na produção de carvão vegetal, atualmente em torno de 30%. O desafio é reduzir a geração e criar uma destinação de alto valor agregado para os chamados finos, material particulado resultante da produção do carvão vegetal e atualmente sem aproveitamento.

O Desafio dos Finos de Carvão Vegetal foi desenvolvido pelo laboratório de inovação da ArcelorMittal, o Açolab, em parceria com o SENAI e o Sebrae. Lançado em setembro de 2018, o projeto recebeu propostas de todo o Brasil, parte delas por startups criadas exclusivamente para esse desafio.

Insumo importante para a ArcelorMittal, o carvão vegetal é resultado de um processo que envolve desde a plantação das sementes de eucalipto, cultivo, colheita, carbonização até a entrega para os alto-fornos. Todo processo tem duração de sete anos. A partir da fase de carbonização, ocorre uma perda média de 30% da produção, devido à geração de partículas finas que não podem ser aproveitadas nos fornos.

“O Brasil é, atualmente, o maior produtor de carvão vegetal do mundo. Portanto, o projeto possui um impacto muito grande, não somente econômico, mas também de sustentabilidade. Todas as empresas produtoras de carvão enfrentam o mesmo problema e as soluções aprovadas poderão ser aplicadas para o mercado”, diz o gerente geral de Inovação e Negócios da ArcelorMittal LATAM, Rodrigo Carazolli.

A expectativa é que a implementação dos projetos selecionados contribuirá não somente para a redução dos finos de carvão, mas também para a redução do custo de produção, aumento de produtividade e maior estabilidade do processo.

A ArcelorMittal já iniciou um plano de desenvolvimento dos projetos para cada uma das sete empresas selecionadas, em conjunto com outras áreas da empresa e com o apoio do SENAI. A expectativa é que em 2020 já seja possível colher os primeiros resultados a partir das soluções apresentadas.

O gerente de Inovação do Centro de Inovação e Tecnologia do SENAI, José Luciano, destaca o posicionamento da empresa na busca por soluções em seus negócios. “A ArcelorMittal está cada vez mais madura na utilização da inovação como uma ferramenta para o desenvolvimento de novos produtos e processos, para produzir, cada vez mais, um aço com qualidade”.

0
0