CBA: produção de mudas de espécies nativas, em Niquelândia (GO), auxilia na conservação do Cerrado

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

O Cerrado é o segundo maior bioma da América do Sul, ocupando uma área de mais de dois milhões de metros quadrados do território brasileiro e do ponto de vista da diversidade biológica, é reconhecido como a savana mais rica do mundo, abrigando aproximadamente 11,6 mil espécies de plantas nativas já catalogadas, segundo dados do Ministério do Meio Ambiente. E é justamente aliando a conservação do bioma Cerrado a uma atividade da nova economia, que o CPB – Centro de Produção de Biodiversidade do Legado Verdes do Cerrado – Reserva Particular de Desenvolvimento Sustentável de propriedade da CBA (Companhia Brasileira de Alumínio) produz mudas de espécies nativas, em Niquelândia (GO), para diferentes tipos de projetos de recuperação de ambientes no Cerrado, além de paisagismo urbano.

A produção do CPB teve início em 2018 e tem capacidade para 200 mil plantas. No local são cultivadas 50 espécies diferentes, entre elas aroeira, angico, baru, canela-de-ema, pitomba, guariroba, pequi e ipê. As plantas produzidas atendem à demanda de parceiros da Reserva, instituições e proprietários rurais, além de prefeituras em projetos de recuperação da flora e paisagismo urbano.

“Por meio do Centro de Produção de Biodiversidade, o Legado Verdes do Cerrado presta serviço de recuperação ambiental para diversos municípios, além de ajudar na arborização de centros urbanos e atender empreendedores no processo de compensação ambiental, contribuindo para a conservação do Cerrado,” explica o diretor das Reservas Votorantim, David Canassa.

 

Centro de Produção de Biodiversidade

Paisagismo urbano e recuperação ambiental

Entre os projetos executados está o Vazante Verde, uma parceria do Legado Verdes do Cerrado com a Nexa, empresa do portfólio da Votorantim S.A, e a prefeitura de Vazante (MG). Para execução da restauração da biodiversidade original do município, o Legado Verdes do Cerrado ofereceu para a arborização urbana espécies nativas como angico, aroeira, jenipapo e ipê amarelo. Na fase inicial, foram plantadas aproximadamente 320 árvores e a expectativa é que, em até cinco anos, o total chegue a 10 mil, tornando a cidade um dos únicos municípios no país arborizado com espécies do bioma Cerrado.

Em outro projeto em parceria com a Faeg Jovem de Niquelândia, o Legado Verdes do Cerrado recuperou três nascentes de córregos que cortam o município: o Taquari, Sales e Buriti. O Programa de Preservação, Recuperação e Conservação de Nascentes fez o levantamento das localidades que necessitavam de atividades de recuperação e as áreas foram revegetadas com 1,4 mil árvores nativas cultivadas no Centro de Produção de Biodiversidade

A proposta do Legado Verdes do Cerrado é não ser somente um fornecedor de plantas, mas desenvolver projetos inovadores que busquem valorizar o bioma cerrado.

Conservação

Para a produção das plantas, o Legado Verdes do Cerrado faz a coleta de sementes na própria reserva. A coleta também alimenta um banco de sementes com amostras que, futuramente, poderão ser plantadas, conservando assim espécies ameaçadas de extinção.

Contato com o CPB – Centro de Produção de Biodiversidade do Legado Verdes do Cerrado, pode ser feito pelo e-mail contato@legadoverdesdocerrado.com.br.

Sobre o Legado Verdes do Cerrado

O Legado Verdes do Cerrado, com aproximadamente 75% da área composta por cerrado nativo, é uma área de 32 mil hectares da CBA – Companhia Brasileira de Alumínio, uma das empresas investidas no portfólio da Votorantim S.A. A cerca de três horas de Brasília, é composta por dois núcleos. No núcleo Engenho, nascem três rios: Peixe, São Bento e Traíras, de onde é captada toda a água para o abastecimento público de Niquelândia/GO. Nele está a sede do Legado Verdes do Cerrado onde, em 23 mil hectares, são realizadas pesquisas científicas, ações de educação ambiental e atividades da nova economia, como produção de plantas e reflorestamento; enquanto 5 mil hectares são áreas dedicadas à pecuária, produção de soja e silvicultura. O núcleo Santo Antônio Serra Negra, com 5 mil hectares, mantém o cerrado nativo intocado e tem parte de sua área margeada pelo Lago da Serra da Mesa.

Acompanhe o Legado Verdes do Cerrado no Facebook e Instagram: www.facebook.com/legadoverdesdocerrado

www.instagram.com/legadodocerrado

 

0
0