Iniciativas aprimoram a gestão de manutenção da Samarco

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Preparando-se para a retomada das operações, prevista para o final deste ano, as gerências de Manutenção e Gestão de Ativos da Samarco desenvolveram, na Unidade de Ubu (ES), iniciativas para aumentar a produtividade. Dentre as medidas adotadas destacam-se a implementação de uma ferramentaria móvel e as aquisições de veículos de pequeno porte – F4000 e triciclos elétricos – para otimizar os deslocamentos e os trabalhos das equipes.

A iniciativa surgiu após estudo identificar que cerca de 80% das movimentações na unidade são para a realização das atividades em obras de pequeno e médio porte, ou seja, de até uma tonelada, fazendo com que o deslocamento dos empregados impactasse na produtividade.

O gerente de Manutenção da Unidade de Ubu, Gabriel Rossoni, explica que essas alternativas permitem a otimização do tempo, com consequente aumento de produtividade da mão de obra. Antes da adaptação de duas F4000, a gerência utilizava guindastes ou caminhão  munck,  equipamentos que carregam peças de toneladas para intervenções de maior porte. A partir da adaptação dos veículos, o braço mecânico faz a carga e a descarga de materiais com até 600 quilos, transporta em segurança até 12 pessoas na cabine e realiza com mais agilidade manutenções de rotina que demandam o carregamento de cargas menores. Com a aquisição dos veículos adaptados, foi possível substituir duas caminhonetes e uma van, gerando uma economia de R$ 42 mil por ano.

“A maneira de fazer transporte e executar determinadas atividades na mineração é a mesma há anos. Precisamos quebrar paradigmas, inovar, buscar alternativas como essas que possam romper com o tradicional e otimizar nossos processos operacionais. Estamos oferecendo opções de transporte e de posicionamento de recursos para que os empregados percam menos tempo antes de iniciar as atividades de manutenção. Portanto, todas as atividades de manutenção foram beneficiadas”, disse o gestor. Rossoni reforça que todas as atividades são executadas com respeito às medidas de prevenção contra a Covid-19.

Ferramentaria a todo alcance

Outra iniciativa implementada recentemente e que minimiza o tempo de deslocamento dos empregados na unidade e aumenta a produtividade é a ferramentaria móvel, uma extensão da ferramentaria central, que permite levar ferramentas e consumíveis para o ponto onde há maior concentração de serviços sendo executados. Estima-se uma economia de aproximadamente 2600 horas por ano de deslocamento em busca de peças.

A ferramentaria móvel possui um self-service de materiais de consumo e um posto avançado de trabalho com solda, contando com tomadas e coberturas. Para saber quais ferramentas e insumos estão disponíveis, o usuário pode consultar o estoque por meio de aplicativo de conversa ou via rádio. “Hoje, a ferramentaria móvel tem ficado próxima à usina 4, onde são executadas as ações de prontidão operacional para a retomada das operações”, explica Rossoni. A usina 4 é a que voltará a funcionar após a retomada das operações com 26% da capacidade produtiva.

A aquisição de seis triciclos elétricos foi outra iniciativa para contribuir para a produtividade na manutenção. Hoje, os empregados passam em média 15,2 minutos por dia aguardando transporte. Com os triciclos, o tempo de espera pode ser reduzido para 2,5 minutos. Além de agilizar o transporte das pessoas que, para se deslocarem, dependem de veículos que circulam internamente ou até mesmo se deslocam a pé pela Unidade, os triciclos têm capacidade para carregar aproximadamente 500 quilos em equipamentos. Além disso, a introdução de veículos elétricos nas atividades de manutenção representa um importante passo em direção a práticas ambientalmente sustentáveis de locomoção.

Sobre a Samarco

É uma empresa de capital fechado, uma joint venture de propriedade da Vale e BHP Billiton Brasil. Com sede em Belo Horizonte (MG), é um empreendimento integrado, com duas unidades operacionais: o Complexo de Germano, em Mariana (MG), que contempla as minas e os concentradores para o beneficiamento de minério de ferro, e o Complexo de Ubu, em Anchieta (ES), onde estão as usinas de pelotização e o terminal portuário. As unidades são interligadas por minerodutos com cerca de 400 quilômetros de extensão, que atravessam 25 municípios.

Com a aprovação da Licença de Operação Corretiva (LOC), aprovada em outubro de 2019 pela Câmara de Atividades Minerárias (CMI), do Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam), a Samarco possui todas as licenças ambientais necessárias para a retomada das operações, prevista para o final de 2020, de forma gradual. A empresa voltará diferente, com mais segurança e após a implantação de novas tecnologias, como o sistema de filtragem de rejeitos, que possibilitará o empilhamento a seco de 80% do rejeito gerado.

0
0