O papel fundamental das correias transportadoras na mineração

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Quando falamos em mineração, uma das primeiras coisas que nos vem à cabeça são as correias transportadoras. Basta observar os avanços tecnológicos nos equipamentos de mineração disponíveis hoje no mundo. Por exemplo, a Bagger 293. Maior escavadeira rotativa do mundo, de acordo com o Guinness Book, com 96 metros de altura e pesando mais de 14 mil toneladas, ela consegue extrair cerca de 240 mil metros cúbicos de material rochoso por dia. Além dela, existe, também, a Overburden Conveyor Bridge F60, uma transportadora de carvão com 502 metros de cumprimento e que pesa cerca de 13 mil toneladas, considerada uma das maiores máquinas móveis do planeta, segundo o portal de curiosidades Tecmundo.

As duas gigantes da mineração usam correias para transportar o material garimpado. Correias essas que chegam a medir quilômetros em sua soma e possuem um custo altíssimo de aquisição. Por isso, é necessário um trabalho árduo de manutenção desses equipamentos, como limpeza, lubrificação e alinhamento constantes, para que a vida útil seja mantida da melhor forma possível.

Mas, devido ao esforço, pressão e outras condições que o ambiente hostil da mineração apresenta, é comum esteiras de transporte apresentarem problemas de desgaste, como rachaduras, buracos e até mesmo rompimento total em sua extensão. Por isso, empresas especializadas estão a cada dia aperfeiçoando produtos e serviços para emendas e reparos, cada vez mais resistentes, para suprir essa demanda.

Existem dois tipos de reparos hoje no mercado: os denominados reparos a frio e a quente, como explica o técnico da Linha Industrial da Vulcaflex. “As emendas e reparos vulcanizados a quente são realizados com materiais e processos similares aos da fabricação da correia transportadora. Já os reparos e emendas a frio utilizam técnicas específicas e cimentos vulcanizantes, à base de borracha neoprene, para adesivação industrial de alto desempenho”.

O especialista técnico da Vulcaflex informa que a empresa trabalha com produtos e serviços para reparos à frio, inclusive oferecendo opções que não levam solventes clorados em sua composição, caso do cimento RSX 2300, exigência do setor de segurança do trabalho e meio ambiente de algumas empresa e, também, produtos e serviços para reparos à quente, que é a Linha Hotline. Todos, produtos com formulação específica para o reparo em correias transportadoras.

“Os produtos da Linha Hotline foram desenvolvidos especialmente para emendas e reparos em correias transportadoras com carcaça têxtil e cabo de aço, com coberturas de borracha sujeitas principalmente à abrasão, mas, também, para correias com coberturas sujeitas a médias e altas temperaturas, no transporte de minérios e materiais”.

1
1