País tem grande potencial para minerais de alta tecnologia, dizem especialistas

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Painel “Novos materiais: desafios e oportunidades para a indústria mineral brasileira” –  Foto: Glenio Campregher

No painel “Novos materiais: desafios e oportunidades para a indústria mineral brasileira”, realizado na manhã desta quarta-feira (11/09) na Expo & Congresso Brasileiro de Mineração (Exposibram 2019), especialistas avaliaram a situação do setor e o potencial econômico dos chamados minerais tecnológicos, com grande demanda na fabricação de baterias para carros elétricos e também na produção de energia solar e eólica. Também foram analisados os minerais críticos e o investimento nos elementos chamados “terras-raras”.

Já é consenso que estes novos materiais deverão crescer em importância nas próximas décadas, por sua aplicação em produtos de alta tecnologia. Porém, de acordo com o engenheiro de Minas Márcio Goto, gerente regional da Roskill para a América Latina, esta “invasão” pode gerar problemas a curto prazo, já que os fabricantes mundiais de bateria estarão sem capacidade de aumentar a produção nos próximos anos. O investimento em fábricas para a produção destas baterias, de acordo com ele, é prioridade para este mercado.

Outro fator de alerta são os “minerais críticos” – aqueles cuja concentração global localiza-se majoritariamente em um único país, como é o caso do cobalto (90% no Congo) e das terras-raras (80% na China). Nestes casos, os impactos de risco econômico relacionam-se a vários fatores, como a estabilidade política, o grau de substituição do mineral e também a reciclagem.

Para o químico Renato de Souza Costa, diretor de Mineração, Energia e Estrutura da Codemge/ Codemig, em razão da nova agenda do mundo econômico – a questão ambiental e a limitação dos recursos naturais e de alimentos, além da emissão crescente de gases-estufa – existe ótimo potencial para os minerais considerados de ‘energia limpa’, como o cobalto, lítio, grafeno e vanádio, os três últimos com produções significativas no país.

Além da questão ambiental, outros pontos merecem atenção especial, segundo ele, como o investimento nos elementos de terras-raras, que tem recursos significativos em Minas Gerais e investimentos da Codemge na construção de laboratórios.

O advogado e professor Fernando Landgraf, do Instituto de Pesquisa Tecnológica do Brasil, reforça o potencial brasileiro com as terras-raras. “Possuímos reservas de 22 milhões de toneladas. Separar esses elementos químicos não é tarefa fácil, pois a cadeia produtiva é extensa. Mas, se há riscos, temos também oportunidades, pois o país tem grande potencial e apoio das agências de fomento”.

O economista Pedro Dias, do BNDES, reitera o papel do Brasil com sua cadeia de minerais ligados à alta tecnologia. “Nosso desenvolvimento sustentável na mineração está relacionado a estes materiais avançados, saindo do potencial mineral para alcançar a industrialização”, concluiu.

 

0
1