Reunião Internacional de Subcomitê de Amostragem da ISO para Minério de Ferro conta com participação efetiva da Delegação Brasileira

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Representantes das empresas fornecedoras e consumidoras de minério de ferro de sete países reuniram-se no ambiente virtual para mais uma reunião internacional da ISO. Ao todo, sete países participaram do encontro: Austrália, África do Sul, Brasil, China, Holanda, Japão e Suécia, num total de 23 delegados. A Delegação Brasileira contou com a presença da Coordenadora do Comitê para a Normalização Internacional em Mineração (IBRAM-CONIM), Rejane Carvalho.

Foram discutidos neste fórum os procedimentos para amostragem, preparação física de amostras, determinação de umidade e de granulometria, assuntos ancorados no ISO/TC 102/SC 01. Além disso, na reunião foi apresentada a evolução das atividades de cada projeto de norma em revisão distribuído nos seguintes grupos de trabalho (WG):

• WG4: Revision of ISO 4701:2008 (Iron ores and direct reduced iron – Determination of size distribution by sieving) – norma revisada e publicada em abril de 2019; coordenador internacional (convener): Engenheiro Mário Alzamora, do Brasil.
• WG7: Revision of ISO 3085: 2002 (Iron ores — Experimental methods for checking the precision of sampling, sample preparation and measurement) – norma revisada e publicada em agosto de 2019; coordenador internacional: Dr. R Holmes, da Austrália, e Luiz Paulo Serrano atuou como especialista brasileiro.
• WG8: Revision of ISO 3087: 2011 (Iron ores – Determination of moisture content of a lot) – norma revisada em julho de 2020; coordenador internacional (convener): Elardus Mare, da Austrália, e como o especialista brasileiro foi o Engenheiro Eduardo Melo.

Segundo Rejane Carvalho, foi mais uma reunião para a Normalização Internacional, realizada de maneira virtual devido à pandemia da Covid-19, mas que alcançou plenamente seus objetivos, assim como as demais reuniões das comissões nacionais estabelecidas no calendário de 2020.

Para o Engenheiro, participante da delegação brasileira e coordenador da Comissão de Estudo de Amostragem do Comitê Brasileiro de Minério de Ferro (ABNT/CE-01), Eduardo Pimenta de Melo “as reuniões da ISO, assim como as reuniões da ABNT, permitem que sejam discutidas, avaliadas e chanceladas as normas que definem como se dará o processo de determinação das características de qualidade do minério de ferro, que ao final definem o valor comercial do minério. Tudo começa com uma boa amostragem e aonde temos um dos principais impactos financeiros da cadeia de comercialização do minério de ferro, o teor de umidade. A participação das empresas brasileiras, com seus especialistas, nos permite estudar, analisar e abranger todos os tipos de minérios brasileiros e suas particularidades de forma individualizada, trazendo vantagens econômicas às mineradoras de minério de ferro brasileiras, uma vez que defende os interesses nacionais evitando perdas de faturamento.”

O Engenheiro e também membro da delegação brasileira, Mário Alzamora, por sua vez, afirma que “os encontros da ISO e ABNT para o desenvolvimento das normas de amostragem e ensaios em minério de ferro são fóruns extremamente ricos de conhecimento, já que seus integrantes são os maiores especialistas do assunto nas empresas de mineração em nível internacional e nacional. As reuniões são de cunho eminentemente técnico, mas é preciso estar atento e bastante embasado em toda a documentação pertinente para evitar qualquer movimento de interesse comercial, que poderia levar prejuízo financeiro às empresas e países produtores ou consumidores de minério de ferro. Nas reuniões da ISO, além do profundo conhecimento técnico dos delegados participantes, é necessário que as posições brasileiras estejam previamente acordadas e definidas, o que é obtido por meio das reuniões periódicas realizadas no âmbito de uma Comissão de Estudos da ABNT, nesse caso a CE-01.”

“Particularmente tenho participado das reuniões da ABNT e ISO há mais de 30 anos e tive a oportunidade de atuar como “Convener” (líder mundial) da revisão da norma ISO 4701 para ensaio de granulometria em minério de ferro, que culminou com a publicação da norma em 2019. A liderança de projetos dentro da ISO, além de facilitar a inclusão de conteúdo técnico de consenso nacional, fortalece a participação brasileira não somente como produtora de minério, mas também como nação influente na normalização internacional”, complementa Mário.

Da esquerda para direita: Eduardo Melo e Mário Alzamora – crédito: divulgação

A Delegação Brasileira contou com a presença de 8 especialistas: Arthur Napoleão (Superintendente do CB-41 da ABNT), Eduardo Melo (Coordenador da CE-01 da ABNT), Eugênia Abreu, Flávio Vieira, Mário Alzamora, Reinaldo Novaes, Rejane Carvalho (Coordenadora do IBRAM-CONIM) e Thiago Faria.

Foto da sala virtual da 32ª. Reunião Internacional do ISO/TC102/SC01, em 23/10/2020 – crédito: divulgação
0
1