George Garcia Pinho Aires: técnico em mineração

Meu nome é George Garcia Pinho Aires, tenho 32 anos e sou minerador há 8 anos. E minha carreira não começou por acaso
Crédito: Anglo American

Aos 18 anos, assim como muitos jovens que se formam no ensino médio todos os anos, carregava comigo uma grande dúvida: qual carreira seguir? Meus pais, devido às suas condições, não passaram do ensino fundamental e, talvez devido a isso, e às poucas oportunidades que tiveram ao longo da vida, faziam questão que seus filhos fossem além. Por não saberem como nos orientar sobre qual carreira seguir, apenas desejavam que estudássemos para termos mais oportunidades que eles.

Sem saber que caminho seguir, decidi pesquisar e, após muitas conversas com amigos e ex-professores, consultas em sites direcionados para carreiras e jornais, acabei chegando à mineração. Meu sogro, Sr. Vander Gomes Aires, foi um grande influenciador nesse processo. Minerador de carreira há mais de 15 anos e operador de equipamentos de uma das maiores mineradoras do mundo, me apresentou esta atividade que lhe proporcionou muitos bons frutos e o ajudou a formar seus filhos. Foi com ele que visitei as primeiras operações de lavra. A paixão foi imediata!

Mais algumas pesquisas sobre a mineração e pude perceber sua importância para a forma como vivemos, uma vez que é por meio dessa atividade que obtemos a matéria-prima para quase tudo o que conhecemos. Além disso, os programas de desenvolvimento de seus profissionais e os trabalhos socioambientais chamaram a minha atenção e cheguei à conclusão que poderia ter uma carreira longa em um seguimento que gera um relevante impacto positivo para a sociedade.

Com a direção definida, veio a ação. Aos 21 anos iniciei o curso de Técnico em Mineração no SENAI de Nova Lima. Aos 23 anos, recém-formado e apenas com o diploma em mãos, mudei-me para São Paulo, onde trabalhei por cinco anos nas lavras de agregados para construção civil, até que, aos 29 anos, consegui atingir a meta definida sete anos antes: trabalhar em uma grande mineradora assim como meu sogro.

Hoje, após superar muitos desafios e aprender ainda mais sobre o que é ser um minerador, sigo desenvolvendo minha carreira. Estudo Engenharia de Produção e desejo continuar trabalhando nesta atividade que já faz parte da minha história.

25
-1