IBRAM participa da Expomin 2018


 15ª edição da Exposição Internacional e Congresso para a Mineração Latino-Americana – Crédito: divulgação

Inovação, igualdade de gênero e sustentabilidade. Esses foram os principais temas que nortearam a 15ª edição da Exposição Internacional e Congresso para a Mineração Latino-Americana (EXPOMIN). O Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM) foi representado pelo diretor de Assuntos Ambientais, Rinaldo Mancin. Ele esteve na última semana em Santiago, Chile, para participar do evento, que é considerado um dos maiores encontros de mineração da região.

Realizada desde 1990 a exposição recebe a cada edição cerca de 70 mil visitantes de todo o mundo e mais de 1100 expositores oriundos 35 países. Para Mancin, essa foi mais uma oportunidade de reunir em um só espaço os principais players do setor para debater o futuro da mineração mundial. “O Brasil enviou uma missão comercial à feira, liderada pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (APEX Brasil), Confederação Nacional da Indústria (CNI) e Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG). A comitiva reuniu empresários brasileiros em busca de intercâmbio de negócios de conhecimentos e experiências no âmbito do setor mineral em escala mundial”, disse Mancin.

O diretor do IBRAM participou da programação do EXPOMIN com uma palestra no talk show “Mineração na américa: inovação para o desenvolvimento da mineração”, junto com representantes das principais entidades latino-americanas do setor de mineração. “O momento foi fundamental para analisarmos os diferentes cenários de cada país. A judicialização dos processos de mineração e a aproximação das comunidades afetadas foram desafios citados por todos que devem ser trabalhados nos próximos anos”, afirma.

Durante o evento, Mancin esteve presente também em encontros paralelos, como a assembleia geral da Sociedade Interamericana de Mineria (SIM), da qual participaram representantes de outras associações de mineração. “O principal foco foi a convenção do mercúrio, também chamada de Minamata, tratado global para proteger a população e o meio ambiente dos efeitos adversos do elemento químico”, disse.

Outros dois fóruns paralelos contaram com a participação do IBRAM: a assembleia geral da Organização Latino-americana de Mineração (OLAMI), que realizou novas eleições e um encontro do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Segundo Rinaldo Mancin, uma nova narrativa para indústria extrativa mundial está sendo construída e o BID tem trabalhado para criar uma estratégia para isso. “No Chile foram debatidos a questão ambiental, os impactos sociais da mineração e de que modo a indústria precisa ser interpretada como uma atividade positiva em prol do desenvolvimento mundial”.

A mineração no Chile

As exportações de bens e serviços chilenos representam cerca de um terço do Produto Interno Bruto (PIB), e as commodities minerais representam cerca de 60% do total das exportações. O cobre é o principal produto exportado pelo país e fornece 20% da receita do governo.

Números da EXPOMIN

  • 70.000 visitantes
  • 2.000 visitantes estrangeiros
  • 1.266 Expositores (53% estrangeiros)
  • 35 países
  • US $ 1.450 milhões em projeções de negócios
  • 2.300 reuniões de negócios

 

 

0
0