Instituto Alcoa incentiva empreendedorismo feminino em Juruti

Projeto de corte e costura visa gerar renda para famílias em situação vulnerável promovendo capacitação de mulheres

Promover a autonomia econômica das mulheres é um instrumento poderoso de transformação social, especialmente em um país como o Brasil, no qual 32,1 milhões de lares possuem uma figura feminina chefiando a família, de acordo com pesquisa da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2018. Com isto em mente, o projeto Costurando Sonhos capacita mulheres que lideram famílias em situações de vulnerabilidade para se tornarem costureiras. O projeto é executado pela Associação Beneficente Emaús, no Centro de Convivência Madre Clélia (CCMC) com apoio do Instituto Alcoa.

Iniciado em janeiro, o Costurando Sonhos nasceu da necessidade de fortalecer a autoestima de mães desempregadas beneficiárias do programa Bolsa Família por meio do empreendedorismo e inclusão social. A gerente de projetos do CCMC, Elizângela Albuquerque, avalia que a iniciativa vai contribuir muito com o desenvolvimento local. “Baseamos o projeto em alguns dados estatísticos sobre as altas taxas de desemprego e desigualdade social, com foco nas mulheres que se encontram em situação de vulnerabilidade e risco social”, conta ela ao explicar o processo de criação do projeto.

Quando aprendeu a costurar ainda na infância, Rosa Maria Soares não imaginou que um dia poderia fazer disso uma fonte de renda. “O que me ensinaram em casa era o básico. Agora já sei até fazer roupa do zero”, explica ela, que é uma das participantes do projeto, tem 51 anos de idade e 9 filhos. “A experiência é muito boa, a turma é bem animada e se Deus quiser vou vender muitas roupas depois deste curso”, afirma. O Instituto Alcoa destinou R$128 mil para o projeto, que durará dois anos, sendo realizado em quatro etapas de seis meses cada, com 20 participantes: 10 mulheres encaminhadas pelos técnicos do Centro de Referência de Atenção Social e 10 adolescentes a partir de 14 anos do projeto Cultura pela Paz Juruti.

Gercilene Silva, Relações Institucionais da Alcoa Juruti, afirma que esta é uma oportunidade única. “O Instituto Alcoa sempre apoia projetos que causem transformação real na vida das pessoas. Nossa expectativa é de que este projeto consiga ir além do aprendizado de uma nova habilidade. Esse aumento de renda pode garantir melhorias duradouras na qualidade de vida dessas famílias e comunidade, e isto é um dos nossos valores mais importantes enquanto instituto”, avalia ela, que acredita que o Costurando Sonhos pode representar chances não só de iniciativas empreendedoras, mas também de emprego formal.

0
0