Kinross anuncia a aquisição de usinas de energia no Brasil

A Kinross Gold Corporation (TSX: K; NYSE: KGC) (“Kinross”) anuncia que sua subsidiária, a Kinross Brasil Mineraçao, adquiriu duas usinas hidrelétricas no Brasil de uma subsidiária da Gerdau SA (NYSE: GGB) (“Gerdau”) por U$ 257 milhões. Espera-se que as duas usinas assegurem um fornecimento de energia de longo prazo para a mina da Kinross em Paracatu, resultando em menores custos de produção ao longo da vida útil da mina.

A Kinross espera financiar a aquisição através de financiamento de dívida de aproximadamente U$ 200 milhões, com o saldo da liquidez existente, que totalizou aproximadamente U$ 2,6 bilhões no final de ano de 2017.

Estratégica para a aquisição

  • Custos de produção mais baixos – A expectativa é reduzir o custo de produção das vendas em aproximadamente U$ 80 por onça ao longo da vida útil da mina.
  • Retornos atrativos – A expectativa é gerar uma taxa de retorno interno alavancada de aproximadamente 15% – 30%, dependendo dos termos finais do financiamento de dívida planejado.
  • Redução de riscos na cadeia de fornecimento – A expectativa é garantir cerca de 70% das necessidades de energia a um custo baixo e fixo. Isso reduz a exposição ao mercado de um insumo chave, em um cenário no qual a empresa tem a expectativa que os custos de insumos aumentem.
  • Investimento estratégico em ativos essenciais – Expectativa de fortalecer e melhorar a mina de Paracatu, uma operação grande, de vida longa, e que é um ativo fundamental no portfólio da Kinross.

 A Kinross concordou em adquirir as usinas hidroelétricas de Barra dos Coqueiros (BCQ) e Caçu, localizadas no rio Claro, no estado vizinho de Goiás, a aproximadamente 660 quilômetros a oeste de Paracatu. Infraestrutura adicional não se faz necessária para que as usinas BCQ e Caçu forneçam energia para Paracatu devido à infraestrutura bem desenvolvida do Brasil e mecanismos de mercado existentes para a transmissão e utilização da energia.

 Espera-se que a aquisição permita que a Kinross reduza os custos operacionais em Paracatu, eliminando aproximadamente 70% das compras futuras de energia. Além disso, a legislação brasileira fornece tarifas de energia reduzida para empresas que geram sua própria fonte de energia. Devido a tarifas reduzidas, a Companhia espera economia de aproximadamente U$ 15 por onça, que está incluída como parte da economia total esperada de aproximadamente U$ 80 por onça de custo de produção de vendas ao longo da vida útil da mina. Espera-se que as usinas tenham custos operacionais e de manutenção relativamente baixos, como é típico das usinas hidrelétricas.

 Ambas as usinas estão em operação desde 2010 e têm uma capacidade instalada total de 155 MW (BCQ – 90 MW; Caçu – 65 MW), e deverão fornecer aproximadamente 70% das necessidades futuras de energia de Paracatu. Os 30% restantes da demanda de energia de Paracatu deverão continuar sendo atendidos por fornecedores terceirizados em contratos de compra de energia de prazo fixo. As concessões operacionais para ambas as plantas expiram em 2037, cinco anos após o término da expectativa de vida útil da mina de Paracatu.

 Para ajudar a facilitar uma transição de propriedade e gerenciamento, a Kinross espera assumir o contrato de operação e manutenção BCQ e Caçu já existente. A Kinross também gera sua própria energia em Tasiast, Kupol e Dvoinoye.

 A expectativa é que a aquisição se conclua em aproximadamente três a seis meses, sujeita às aprovações regulatórias e à satisfação de outras condições prévias.

 BofA Merrill Lynch atua como consultora financeira da Kinross, e Pinheiro Neto Advogados e Dechert LLP atuam como assessores jurídicos.

2
0