Mineração é fundamental para a geração de energia eólica no Brasil

Para a construção e manutenção de um parque de energia eólica torna-se necessário um variado número de minérios como: bauxita (minério de alumínio), agregados da construção civil (argila, areia e cascalho), cobalto e terras raras (ímãs e baterias), cobre e zinco (fiação), calcário (cimento), minério de ferro (aço),molibdênio (ligas especiais).

O Brasil destaca-se na produção e exportação de bauxita (mais de 30 milhões de toneladas em 2017), minério de ferro (430 milhões de toneladas), cobre (200 mil toneladas) e zinco (230 mil toneladas).

A Abeeolica (Associação Brasileirade Energia Eólica) estima que o Brasil, cuja capacidade instalada é 12 GW, tenha potencial eólico superior a 500 GW. “Para atingir esse montante é fundamental investir na mineração e, em especial, no minério de alumínio e sua cadeia produtiva e também em minerais estratégicos como cobre, zinco e terras raras”, afirma Rinaldo Mancin, diretor de Assuntos Ambientais do Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM).

Dados do Global Wind Energy Council (GWEC) apontam que o Brasil ocupa atualmente o oitavo lugar no ranking mundial de produção de energia eólica. Apenas em 2017, o País conseguiu aumentar sua produção em 52,57 GW (Gigawatt) de potência, de acordo com a Abeeolica, que reúne as principais empresas do setor. A modalidade responde por 8,3% da energia produzida no Brasil na atualidade.

O documento do GWEC é produzido anualmente e reúne dados mundiais de energia eólica. Entre os primeiros colocados estão a China (188,23 GW), os Estados Unidos (89,07 GW) e a Alemanha (56,132 GW), seguidos por Índia, Espanha, Reino Unido e França.

Energia Eólica no Brasil

A Abeeolica estima que nos próximos anos 18 milhões de residências serão abastecidas com a energia gerada por meio dos ventos. Os leilões realizados em dezembro de 2017, ainda de acordo com a Associação, devem aumentar em 45 GW a capacidade eólica do País nos próximos anos.

Atualmente a maior parte da produção está concentrada na Região Nordeste. Apenas o estado do Rio Grande do Norte possui 135 parques e uma capacidade instalada de 3.678,85 MW. Em seguida aparece a Bahia, que possui parques e 2.410,04 MW de capacidade instalada. Já o Ceará, terceiro da lista, possui 74 parques e 1.935,76 MW de capacidade instalada.

O estado do Rio Grande do Sul ocupa a quarta colocação, com 80 parques e 1.831,87 MW de capacidade instalada. Em seguida vem o Piauí, com 52 parques e 1.443,10 MW instalados, e Pernambuco com 34 parques e 781,99 MW de capacidade instalada.

0
0