Minerar é preciso: jornal defende apoio ao desenvolvimento da mineração

O jornal Correio Braziliense, o principal da Capital Federal, se posiciona em editorial a favor do apoio à indústria da mineração; o artigo traz como título “MINERAR É PRECISO”.

Na edição de 13/05 o espaço ‘Visão do Correio’ foi dedicado a analisar essa indústria no contexto do pós-rompimento de duas barragens de rejeitos. O jornal defende uma revisão de “todos os processos envolvidos na extração” de minérios, como condicionante para a atividade poder se desenvolver.

O editorial critica quem ataca o setor indiscriminadamente: “é necessário dizer que a mineração faz parte do DNA da economia de Minas e do país, e demonizá-la é como disparar contra o próprio pé”. E cita dados do IBRAM para mostrar aos leitores como o minério de ferro é um dos protagonistas da economia mineira e que a crise no segmento, estimulada pelos rompimentos levará o Estado a perder aproximadamente “100 mil empregos em 2019”, o que exercerá pressão enorme sobre os setores de comércio e serviços.

O jornal cita que a Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG) “prevê queda de 130 milhões de toneladas na produção de dezenas de minerais, sobretudo minério de ferro, entre 2019 e 2021. A retração do produto interno bruto (PIB) do estado em função da crise no setor, também(…)deve chegar a 2,5%, neste ano.”

O Correio lembra, ainda que, os municípios mineradores, em especial, já sofrem as consequências da diminuição drástica da atividade minerária, com “queda na movimentação de recursos da cidade quanto redução dos impostos e taxas gerados pela própria atividade”. E cita o exemplo de Mariana, onde a “inatividade da Samarco resultou e queda de 26% na arrecadação e fez o desemprego disparar para 27% – mais de quatro vezes maior que os 6% registrados antes do rompimento da barragem do Fundão”.

O editorial é encerrado com a constatação de que “sem a extração mineral, o estado abriria um caminho rápido para outras catástrofes, essas de natureza fiscal, econômica e social. Qualquer atividade que represente 4% do PIB nacional e 8% das riquezas geradas em Minas merece atenção especial, não só para resistir enquanto opção geradora de recursos, mas para seguir como importante aliada rumo à retomada de que o país tanto necessita. Minerar é preciso porque viver é preciso”.

A íntegra do editorial está disponível na web apenas para assinantes: http://impresso.correioweb.com.br/acessorestrito/index.htm

1
0