Prevenção de riscos ergonômicos nas atividades minerais será premiada em evento do Programa MINERAÇÃO

Em mais uma ação que busca o reconhecimento das práticas bem sucedidas de promoção da saúde e da segurança dos trabalhadores do setor mineral, o Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM) irá promover a quarta edição do prêmio “Melhores Práticas em Saúde e Segurança do Trabalho na Mineração”. A partir do 2º semestre de 2018, o Programa de Saúde e Segurança Ocupacional do Instituto (Programa MINERAÇÃO) recebeu a inscrição de cases.


A premiação será concedida aos melhores colocados três categorias:

– Como prevenir e gerir os riscos ergonômicos nas atividades minerais – melhores práticas;
– Ferramentas de gestão de riscos associadas à Saúde e Segurança do Trabalho (SST) – melhores práticas;
– Conservação auditiva – demonstrar evolução médica.


A classificação dos finalistas será anunciada em 20 de novembro de 2018. A cerimônia de premiação ocorrerá em 4 de dezembro na sede da Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG), em Belo Horizonte (MG). Os primeiros colocados receberão troféus e terão seus cases divulgados no Portal da Mineração. O vencedor de cada categoria terá a oportunidade de apresentar o trabalho em painel específico de SST durante o 18º Expo & Congresso Brasileiro de Mineração (EXPOSIBRAM), que será realizado entre os dias 9 e 12 de setembro de 2019.

O médico Marcelo Araújo Campos, especialista em Medicina Preventiva e Social e em Saúde do Trabalhador, parceiro do programa MINERAÇÃO, explica que o objetivo da ergonomia é melhorar saúde, segurança e eficiência dos processos produtivos.

A importância da AET na gestão empresarial

“A Análise Ergonômica da Atividade (AET) busca entender como o sistema produtivo, que engloba o ambiente físico, as pessoas e os métodos de gestão, produz falhas, adoecimentos, acidentes, perdas de produção. Ela ajuda a desenvolver os negócios com menos custos humanos e financeiros e pode iluminar a gestão, muitas vezes ofuscada por indicadores equivocados”, explica.

“Conhecer e implantar metodologias para assumir o controle sobre a realidade dos negócios abre enorme campo de oportunidades para uma produção mais segura, eficiente e sustentável”, diz.

“É muito importante que instâncias coletivas, como o IBRAM, institucionalizem o debate sobre SST e abram espaços para discutir as normas, leis, portarias e reunir atores com objetos de trabalho conectados pela mineração”, finaliza Marcelo.


Conheça as empresas que concorrem na categoria de prevenção aos riscos ergonômicos:

Anglo American:

– Adequação ergonômica na mineração para a promoção da saúde, segurança do trabalhador e melhoria contínua.

ArcelorMittal:

– Programa Mais Saúde – Tecnologia em favor da ergonomia Programa Mais Saúde – bem estar aliado a tecnologia.

CSN Mineração:

– Ações ergonômicas aplicadas na gerência de laboratório garantem: conforto, segurança e produtividade.

Ferro + Mineração:

– Gestão do risco  ergonômico na jornada de trabalho noturno.

Mosaic Fertilizantes:

– Implementação de ferramentas estratégicas para gerir riscos ergonômicos da empresa – Gestão à vista.

Nexa Resources:

– Ergonomia nos equipamentos móveis de mineração – Vibração.

Vale:

– Risco ergonômico existente na atividade de recebimento e armazenamento de explosivos.

– Melhoria no processo de afiação do bits da perfuratriz DM30 Atlas Copco.

– Dificuldade na remoção e instalação do conjunto eixo diferencial dos caminhões Scania P420.

– Risco de prensamento de membros e posição ergonômica inadequada para manobrar as válvulas manuais dos hidrociclones, gerando excesso de esforço físico na atividade.

– A influência da produção enxuta na melhoria da condição de trabalho em um setor de uma indústria mineradora.

– Ergonomia em laminação de correia transportadora.

– Programa de fadiga para operação de mina.

– Adequação da estrutura de alívio dos tanques de lubrificantes do complexo minerador de Mariana.

– Programa de Operador de Alto Desempenho (POAD).



Saiba mais

Claudia Pellegrinelli, engenheira de segurança do trabalho e coordenadora do Programa MINERAÇÃO e o médico Marcelo Araújo Campos, especialista em Medicina Preventiva e Social e em Saúde do Trabalhador, falaram com o Portal da Mineração sobre ergonomia no setor mineral. Confira entrevista completa:

Portal da Mineração: O que é ergonomia?

Cláudia Pellegrinelli: A ergonomia tem um papel muito importante nas empresas, quando bem aplicada, considerando sua busca entre a prática do trabalho prescrito e do trabalho que as pessoas realmente executam, as doenças decorrentes desta ambiguidade e como melhorar esse quadro.

Portal da Mineração: O que são riscos ergonômicos?

Cláudia Pellegrinelli: Riscos ergonômicos são condições de trabalho pré-existentes ou novas que podem causar adoecimento aos trabalhadores de qualquer nível hierárquico, acometendo tanto o lado psicológico como fisiológico. Os motivos podem ser os mais diversos como jornadas muito longas de trabalho, execução de atividades muito monótonas ou repetitivas, execução do trabalho em uma posição inadequada e até situações de alto nível de estresse mental.

 Portal da Mineração: Quais os principais riscos ergonômicos nas atividades minerais?

Marcelo Araújo:  São Riscos clássicos, de doenças osteomusculares e adoecimento/sofrimento mental, que acomete todos os níveis hierárquicos. As empresas vivem essa tensão: precisam de conformidades para evitar passivos e agregar valor à imagem, e de não conformidades para conseguir produzir. Isso caracteriza a “gestão paradoxal”. Parte dessa contradição decorre de hiper-regulação externa (leis, portarias, etc., que concorrem entre si e não tem como serem todas obedecidas ao mesmo tempo. Não existe excelência em conformidade absoluta às normas (excelência é, por definição, ir além das normas, reconhecer onde a norma não se aplica mais e encontrar formas de fazer conciliando eficiência, saúde e segurança). A Análise Ergonômica da Atividade (AET), ao objetivar como as rupturas entre prescrito/real acontecem, torna-se ferramenta para reconectar a gestão paradoxal à realidade do trabalho, sem desestabilizar a gestão.


 Programa MINERAÇÃO

Desenvolvido e coordenado pelo IBRAM, o Programa MINERAÇÃO foi criado para auxiliar as empresas do setor mineral a reduzir os acidentes ocupacionais.

O Programa estimula a prevenção por meio da implantação de diversas iniciativas voltadas à diminuição dos principais riscos à segurança e à saúde ocupacional detectados no segmento mineral. O MINERAÇÃO adota iniciativas como Sistemas de Gerenciamento de Riscos, treinamentos específicos, intercâmbios de boas práticas, desenvolvimento de banco de dados com informações estatísticas sobre acidentes específicos para o setor, entre outras.

Para participar acesse: http://programamineracao.org.br/

0
0