Setor mineral é discutido em reunião da FDC International Advisory Council Meeting

Setor mineral é discutido em reunião da FDC International Advisory Council Meeting

O futuro da mineração e a mineração do futuro no Brasil foram discutidos em Nova Lima, Minas Gerais, no início desta semana. Em nome das mineradoras associadas, o presidente do Conselho Diretor do Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM), Wilson Brumer, apresentou a visão da entidade sobre o tema. Ele foi um dos convidados a participar da 11ª reunião da FDC International Advisory Coucil Meeting, assim como o vice-governador do Estado, Paulo Brant, entre outros. O evento foi realizado pela Fundação Dom Cabral.

Em seu discurso, Brumer lamentou as tragédias ocorridas na mineração e enfatizou que, após o ocorrido (em Mariana e em Brumadinho), o setor ficou ‘demonizado’ perante a sociedade. “Precisamos melhorar a nossa reputação e fazer com que a sociedade em geral, em especial os jovens, voltem a acreditar nesta atividade tão importante para a toda a população. Infelizmente, hoje as pessoas não conseguem enxergar a importância da mineração, pois não é fácil entender onde ela está inserida. Quase tudo o que a gente utiliza e consome é oriundo desta atividade. Mas isso não significa que temos que minerar a qualquer custo. É fundamental que a atividade seja sempre responsável”.

Para ele, um dos primeiros passos é a indústria mineral aprender a se comunicar com a sociedade e, em especial, com as comunidades situadas no entorno das operações. “Temos que ter humildade para saber ouvir. Só se comunica bem quem tem capacidade de escutar melhor. Por isso, é necessário mudar o comportamento e abrir o diálogo junto a todos”.

O presidente do Conselho do IBRAM ainda falou da importância de atrair os jovens e a Academia de forma a contribuir para o desenvolvimento sustentável de todo o setor mineral.

O vice-governador de Minas Gerais, Paulo Brant, falou da importância de revisar todas as normas que envolvem barragens de mineração e encontrar maneiras de transmitir confiança para todos. “É preciso reconfigurar o sistema de controle e de normas, afinal, a mineração é muito importante para o Brasil. Precisamos colocar a atividade outra vez no centro do processo de desenvolvimento de Minas Gerais. Para isso, é necessário trabalhar de forma mais segura e com tecnologia que traga mais segurança para todo o setor”, afirmou.

 

0
0