Valemaxes mais eficientes em redução de CO2 são um dos destaques do Relatório de Sustentabilidade da Vale

Construídos a partir de iniciativa da empresa, os 32 "navios verdes" e outras ações sustentáveis estão no documento lançado hoje

Os Valemaxes de 2a Geração, de 400 mil toneladas, construídos a partir de iniciativa da Vale, são os navios que menos emitem gases do efeito estufa (GEE) já construídos na história da navegação internacional. As novas embarcações emitem 41% a menos de CO2 que os capesizes de 2011, de 180 mil toneladas, que serviram de base para a primeira geração de Valemaxes, lançada naquele ano.

O case é um dos destaques da 11ª edição do Relatório de Sustentabilidade da Vale, que traz informações da empresa relativo ao ano de 2017 nas áreas econômica, social e ambiental.

No documento, a Vale apresenta sua nova estrutura de governança em sustentabilidade, sua abordagem alinhada à Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU) e também destaca os 50 anos da Fundação Vale, assim como os 40 anos da Reserva Natural Vale como área oficialmente protegida.

O relatório contempla ainda as orientações e os compromissos relacionados ao Pacto Global das Nações Unidas, com as ações da empresa, pautadas aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) e ao Conselho Internacional de Mineração e Metais (ICMM, na sigla em inglês). O material pode ser acessado em www.vale.com/rs2017.

“A Vale é uma companhia que utiliza recursos naturais em suas operações. E é nosso dever, então, prestar contas à sociedade com um relatório específico sobre as questões socioambientais. Este ano, avançamos ainda mais ao nortear nossas ações à estrutura da Agenda 2030 e aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável”, explica o diretor de Sustentabilidade da Vale, Alberto Ninio. A diretoria de Sustentabilidade foi criada em 2017 com intuito de dar mais foco e agilidade às ações socioambientais da empresa.

Conheça alguns dos destaques do Relatório de Sustentabilidade:

Governança Corporativa

– Retorno ao Conselho Internacional de Mineração e Metais (ICMM), que reúne 23 empresas globais do setor e exige de seus integrantes o compromisso com os melhores princípios e práticas operacionais;

– Migração das ações da Vale para o Novo Mercado da bolsa de valores de São Paulo (B3).

– Líder global na produção de minério de ferro, pelotas e níquel.
Ambiental

– 8,5 mil km2 de áreas protegidas, equivalentes a 5,6 vezes o total da área ocupada pelas unidades operacionais.

– O percentual de reutilização de água para processos industriais foi de 82%.

– Plantio de mais de 140 mil mudas de espécies protegidas por lei.

– Investimento em proteção e conservação ambiental de US$ 487,3 milhões.

– 100% das barragens de minério de ferro auditadas com condição de estabilidade atestada.
Social

– US$ 14 milhões investidos pela Fundação Vale em 52 projetos em 65 municípios no Brasil.

– US$ 69,3 milhões aplicados em infraestrutura.

– US$ 35,6 milhões aplicados em serviços.

– 237 ações de saúde com 341,8 mil participações de empregados, terceiros e moradores de comunidades vizinhas às operações.

– A porcentagem de compras locais da Vale, nas operações do Brasil, Moçambique e Canadá, foi de 90%.

– 142 Planos de Relacionamento e Investimento Social no Brasil, em 2017.

Sobre o relatório

Os relatórios de sustentabilidade da Vale seguem as diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI), instituição que estabelece o padrão internacional de relatórios socioambientais corporativos. O documento está dividido em cinco grandes temas: Pessoas, Planeta, Prosperidade, Paz e Parcerias, os mesmos que orientam os ODS e a Agenda 2030. Além desses, há o capítulo Propósito, dedicado a apresentar a maneira como a Vale se organiza para desempenhar seu papel nessas áreas.

0
0