Carros elétricos e energia limpa são novas apostas de investimentos e demandam mais minérios

11 Maio 2021

Desenvolvimento sustentável, preservação do meio ambiente, aquecimento global e legislações ambientais exigentes ao redor do mundo são preocupações de praticamente todas as nações. 

Uma das promessas eleitorais de Joe Biden, presidente dos Estados Unidos, é promover uma revolução na indústria automobilística com foco nos carros elétricos, que são mais sustentáveis e agridem menos o meio ambiente.  Também faz parte do projeto de Biden investir em energia renovável e rede elétrica para impulsionar a economia e combater as mudanças climáticas. 

O plano que ainda requer aprovação do Congresso norte-americano prevê um pacote de infraestrutura e estímulo de US$ 2,25 trilhões, com o objetivo de catalisar investimentos em uma economia de energia limpa e incentivar tecnologias de baixas emissões, necessárias para limitar o aquecimento global. 

A iniciativa daria uma extensão de 10 anos para créditos tributários que beneficiam projetos de energia eólica, solar e outras fontes renováveis. Biden também busca aprovação do Congresso para destinar verbas e conceder descontos em veículos elétricos, pontos de recarga e ônibus escolares elétricos com o objetivo de reduzir a demanda por automóveis convencionais movidos a gasolina. Cerca de US$ 174 bilhões em fundos do governo iriam para iniciativas de veículos elétricos, segundo comunicado da Casa Branca com um resumo do plano de Biden.

Mais demanda por minérios

Na prática, o projeto americano deve criar uma demanda por minérios específicos, como o lítio, utilizado na produção de baterias. Os automóveis são responsáveis por 25% das emissões de poluentes globais, de acordo com relatório da Conferência sobre Mudanças Climáticas da Organização das Nações Unidas (ONU), realizada em 2018. 

Inúmeros bens minerais são importantes para a produção de carros elétricos, dentre eles estão o cobalto, níquel, manganês, alumínio, ferro, fósforo, lítio, carbono, elementos terras-raras e o nióbio. O espaço de mercado a se estabelecer nos próximos anos é especialmente atraente ao Brasil, que dispõe de recursos minerais que são fontes destes elementos. 

“O Brasil é um dos principais players do setor mineral mundial, graças à sua vasta extensão territorial, plataforma continental e zona econômica exclusiva, apresentando diferentes e importantes formações geológicas, com uma grande diversidade mineral. Dentre os principais minerais necessários para este projeto, o país é o maior exportador de nióbio, do mundo, o segundo maior de ferro e estamos à frente da exportação de diversos outros minerais necessários para o mercado automobilístico e energia limpa”, afirma o diretor presidente do Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM), Flávio Penido. 

História dos veículos movidos a energia 

É difícil precisar quando o carro elétrico foi inventado. Sabe-se que em 1828, o engenheiro, físico e sacerdote húngaro Anyos István Jedlik criou o primeiro modelo movido a bateria. Entretanto, relatos da história apontam que o título de inventor oficial do carro elétrico é de Thomas Davenport, que criou uma locomotiva movida a imãs em 1834. Nessa mesma época, também estava em desenvolvimento o carro movido a combustão, como  conhecemos hoje.

A invenção de Davenport não era exatamente um carro elétrico, mas ajudou a criar o que viria a ser. Entre 1832 e 1839, o escocês Robert Anderson criou uma espécie de carruagem elétrica. Já na França, nos anos de 1859 e 1881, dois inventores criaram baterias recarregáveis de chumbo. Essa invenção foi decisiva para que o carro elétrico surgisse.

Flocken Elektrowagen, de 1888: carro elétrico existe desde o século XIX (Foto: reprodução da internet)

Entre os anos de 1880 e 1890, escocês William Morrison e o americano trabalharam em modelos de um carro elétrico. Sendo assim, em 1890, os carros elétricos representavam cerca de um terço do total dos carros dos Estados Unidos. Nesta época, havia uma frota de táxis elétricos em Nova York, por exemplo. Eles eram mais silenciosos do que os demais e também mais fáceis de operar. 

Essa era a realidade em 1912, e o carro elétrico pouco avançou nos anos subsequentes. Na década de 1920, o petróleo foi encontrado em larga escala nos Estados Unidos, barateando a gasolina. Um lobby se formou ao redor da matéria-prima e a indústria petroleira passou à frente.

Em 1935, o carro elétrico deixou de ser produzido em definitivo. Apenas em 1966, sua produção cogitou ser retomada, como parte de um conjunto de medidas para frear a poluição ambiental. Desse modo, a partir da década de 70, diversas montadoras passaram a investir na criação de novos modelos. 

No final do século 20, lojas comercializavam carros elétricos, a combustão ou a vapor,  sendo este último a tecnologia mais antiga entre as três e, basicamente, movido a água.  Nessa época, o carro elétrico tinha tudo para vencer a disputa de mercado, por ser o mais silencioso, prático e limpo, mas o automóvel ainda era um bem oneroso. Os veículos americanos movidos a bateria custavam cerca de US$ 1.750 e os movidos a gasolina eram vendidos por em torno de US$ 650, segundo o Departamento de Energia dos Estados Unidos

Vale destacar alguns modelos de carros elétricos criados nas décadas de 90 e 2000. Em 1997, a Toyota lançou o Prius, primeiro carro híbrido produzido em série. O primeiro veículo elétrico esportivo de luxo produzido em massa foi o Tesla Roadster, lançado pela empresa Tesla Motors. Em dezembro de 2010, a Nissan lançou o Leaf, automóvel elétrico considerado ecológico e popular.

Nissan Leaf é vendido desde 2010 (Foto: Nissan | Divulgação)

Apesar de diversos modelos disponíveis, o carro elétrico ainda enfrenta dificuldades em se firmar no mercado automobilístico, sendo as principais a autonomia e o tempo necessário para a recarga da bateria. De modo geral, é necessário deixar o veículo recarregar por 8 horas, conectado em uma fonte de energia elétrica, após 300 quilômetros rodados. Além disso, esses modelos costumam ser mais caros que os tradicionais.

Fontes: https://exame.com/invest/esg/novo-plano-de-biden-mira-carros-eletricos-e-energia-limpa/ https://segredosdomundo.r7.com/carro-eletrico-historia/ https://autopapo.uol.com.br/noticia/carro-eletrico-historia/

 

Veja também: 

Como os minérios são úteis no combate ao Covid-19

Aço Verde, um novo compromisso com a sustentabilidade

Pesquisa mineral : o início do projeto de uma mina

Notícias